Colóide

Da WikiCiências
Share/Save/Bookmark
Ir para: navegação, pesquisa

Referência : Spencer Lima, L. (2011), WikiCiências, 2(01):0219
Autor: Luis Spencer Lima
Editor: Jorge Gonçalves



Um colóide, ou sistema coloidal, consiste numa mistura na qual uma ou mais substâncias se encontram uniformemente disseminadas (dispersas) numa outra substância, sob a forma de pequenas partículas, formadas por agregados de moléculas. Um sistema coloidal apresenta, assim, dois componentes: o meio disperso (fase dispersa) e o meio dispersante (fase contínua).


Um sistema diz-se coloidal quando as dimensões das partículas que constituem a fase dispersa se situam entre 10-9 e 10-6 m (entre 1 nm e 500 nm). Um sistema coloidal constitui uma situação intermédia entre uma mistura homogénea (solução, com partículas menores que 1 nm) e uma mistura heterogénea (suspensão, com partículas maiores que 500 nm). Num colóide, as partículas são maiores que uma molécula mas, simultaneamente, suficientemente pequenas para não se depositarem no fundo por acção da gravidade, dadas as interacções electrostáticas existentes entre elas (num colóide estável, as superfícies das partículas têm o mesmo tipo de carga – positiva ou negativa – pelo que as interacções são repulsivas, caso contrário haveria aglomeração das partículas o conduziria à floculação do colóide – “precipitação”).


Os colóides podem ser classificados de acordo com o estado físico da fase dispersa e da fase contínua, tal como se indica na tabela seguinte:


  Fase Dispersa
Gás
Líquido
Sólido
Fase Contínua
Gás
Nenhum
(todos os gases são miscíveis)
Aerosol Líquido
Aerosol Sólido
Líquido
Espuma
Emulsão
Sol
Sólido
Espuma sólida
Gel
Sol Sólido


Uma das características dos colóides é a movimentação rápida, aleatória, desordenada e caótica das partículas da fase dispersa. Este fenómeno denomina-se movimento browniano. Uma outra característica dos colóides é o efeito Tyndall, que é a capacidade que as partículas coloidais têm de dispersar a luz quando esta atravessa um meio coloidal, o que as permite distinguir das soluções.


O estudo dos colóides iniciou-se em 1860, quando o químico escocês Thomas Graham observou que substâncias como o amido, a cola ou a gelatina se difundiam muito mais lentamente quando colocadas em água do que o açúcar ou o sal de cozinha. Além disso verificou que estas substâncias não cristalizavam, ao contrário do açúcar e do sal de cozinha. Graham decidiu chamar esta classe de substâncias (com este tipo comportamento) colóide, do grego kóllas (cola, gordura) + eïdos (forma).


Os colóides, abundantemente presentes no quotidiano, têm uma influência e um impacto consideráveis no Homem. São exemplos de colóides o leite, a maionese, o fumo, o nevoeiro, as nuvens, o sangue, a gelatina, as natas batidas, a laca, a neblina, a pedra-pomes, a pasta dentífrica, o champô, a matéria particulada do ar ou a cerveja.



Criada em 04 de Janeiro de 2011
Revista em 05 de Janeiro de 2011
Aceite pelo editor em 05 de Janeiro de 2011