Código Genético

Da WikiCiências
Share/Save/Bookmark
Ir para: navegação, pesquisa

Referência : Moreira, C. (2010), WikiCiências, 1(9):0103
Autor: Catarina Moreira
Editor: José Feijó


O código genético o conjunto de regras através das quais a informação contida no material genético (DNA e RNA) é traduzida em proteínas, estabelecendo-se a correspondência entre sequências de 3 nucleótidos de RNA (codões) e um determinado aminoácido.


Um pouco de história...

Depois dos importantes trabalhos de James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins e Rosalind Franklin para a descrição da estrutura da molécula de DNA, seguiram-se trabalhos para compreender o processo de codificação das proteínas. George Gamow, utilizando o cálculo combinatório, postulou que um código de três letras (correspondente a três nucleótidos) seria necessário para codificar os 20 aminoácidos utilizados pelas células na codificação das proteínas – hipótese dos diamantes de Gamow – baseando-se no facto de existirem 4 nucleótidos diferentes, combinações de 3 a 3 seriam o número mínimo para gerar mais de 20 variantes diferentes, ou seja, poderiam codificar os 20 aminoácidos existentes. A sua hipótese, embora não estivesse totalmente correcta serviu de base aos trabalhos.

Em 1961, Nirenberg e Matthaei, sintetizaram no laboratório, da National Institutes of Health, uma molécula de mRNA com todas as bases uracilo (poli-U, isto é, uma sequencia de UUUUUUU...) e procederam à sua tradução. O polipéptido sintetizado consistia apenas num tipo de aminoácido, a fenilalanina. Constataram que o codão UUU era específico para o aminoácido fenilalanina. O uso de outras combinações de tripletos permitiu identificar as sequencias dos codões de mRNA e os aminoácidos correspondentes, decifrando-se o código genético (ver tabela).

Em 1968, Robert W. Holley, Har Gobind Khorana e Marshall W. Nirenberg, receberam o Prémio Nobel da Fisiologia e Medicina pela sua interpretação do código genético e sua função na síntese proteica.


Características do código genético

Como o código genético se forma a partir de uma cadeia molde de DNA cada codão do mRNA é complementar de uma sequência de três nucleótidos de DNA, designada codogene, e que está presente na cadeia de DNA transcrita.

O código genético apresenta as seguintes características:

- Cada aminoácido é codificado por um tripleto de nucleótidos do mRNA – codão.

- Universalidade: a um determinado codão corresponde o mesmo aminoácido na maioria dos organismos. Existem algumas excepções quando se consideram reinos diferentes de seres vivos.

- Redundância: existem vários codões que podem codificar o mesmo aminoácido (ver tabela) (as combinações de 3X3 geram 64 variantes possíveis)

- Não ambiguidade: um determinado codão não codifica dois aminoácidos diferentes

- Codões de finalização (ou stop): os tripletos UAA, UAG e UGA quando ‘lidos’ pelo complexo de tradução indicam a interrupção do processo, e a proteína é libertada. Nenhum destes codões codifica um aminoácido.

- Codão de iniciação: o codão AUG que codifica o aminoácido metionina, é responsável pelo sinal de início da tradução.

- O terceiro nucleótido de cada codão é menos especifico que os dois primeiros.


TabCodoes.jpg

Tabela de codões e respectivos aminoácidos do código genético.



Materiais relacionados disponíveis na Casa das Ciências:

  1. Código da Vida – Capítulo 3, o que é o um gene? Como é que um gene origina uma proteína?
  2. Tradução do mRNA, veja como o mRNA se traduz numa proteína
  3. Splicing do mRNA, o que acontece ao mRNA antes de poder ser traduzido numa proteína
  4. Processamento do mRNA, o que acontece ao mRNA logo após a transcrição
  5. Transcrição do DNA, a transcrição do DNA em mRNA passo a passo
  6. Dogma Central do ADN - Parte 2 :Tradução, tradução do ARN
  7. Dogma Central do ADN – Parte 1: Transcrição, veja como o ADN é transcrito no núcleo
  8. Visualização Molecular do ADN, veja o enrolamento e a replicação do ADN.
  9. Código da Vida – Capítulo 1, para que serve o conhecimento do genoma?


Criada em 20 de Outubro de 2009
Revista em 24 de Fevereiro de 2010
Aceite pelo editor em 15 de Setembro de 2010